documentos

  • relatório de irregularidades apontadas em Inspeção Especial do Tribunal de Contas do Estado – documento 002765-0200/13-8

https://drive.google.com/drive/u/3/my-drive

 

  • EIA-RIMA

https://drive.google.com/drive/u/3/my-drive

 

  • artigo da Engenheira, Mestre em Arquitetura e Mestre em Engenharia de Produção
    Adriana Schönhofen Garcia sobre o processo de licitação para o projeto do Cais Mauá. Ela tentou participar com um dos escritórios mais importantes dos Estados Unidos, onde ela reside e exerce suas atividades profissionais, mas a tarefa se mostrou impossível. Entenda o caso:

http://www.radioeletrica.com/blog/wp-content/uploads/2017/11/Artigo_AGARCIA_Cais-do-Porto-um-so-vencedor_Versao-4.0.pdf

dissertação de mestrado de José Luis Abalos Junior

Um porto em contradição : memória política, engajamento e revitalização urbana na proposta de requalificação do Cais Mauá em Porto Alegre-RS

 

“Recentemente o Cais Mauá, antigo porto da cidade Porto Alegre/RS, teve um projeto de revitalização aprovado nas múltiplas instâncias administrativas da burocracia do estado e encaminha-se para ser implementado em 2017. Busco demonstrar no decorrer deste trabalho que a ideia de um “reestabelecimento de uma relação dos habitantes da cidade com o porto”, apontada pelo empreendimento responsável pela revitalização, não é consensual. Ela aglutina inúmeras contradições políticas que procurei acompanhar etnograficamente através do contato consentido com coletivos de ativismo urbano. Realizando uma antropologia dos processos de contradição que se relacionam aspectos sócio-históricos, paisagísticos e econômicos proponho demonstrar o quanto transformações urbanas na cidade, especificamente as ligadas à área portuária porto alegrense, estão vinculadas a uma memória política. Através das narrativas de meus interlocutores e de pesquisas em acervo pude perceber que os projetos de (re)qualificação para o Cais Mauá são tão históricos quanto as suas resistências. Com decadência das atividades portuárias na década de oitenta, ativistas, gestores de políticas e planejadores urbanos sonharam desenvolvimentos diferenciados para a região. Neste sentido a resistência à revitalização do Cais Mauá emerge não só como o estabelecimento de planos, projetos e propostas alternativas, mas como um confronto de modelos de cidade no século XXI.”

UFRGS – Antropologia Social – 2017

http://www.radioeletrica.com/blog/wp-content/uploads/2017/11/Um-porto-em-contradição-mestrado-Jose-Luis-Abalos.pdf

 

Anúncios